quinta-feira, 16 de novembro de 2017

Bombarral

10 anos dos urban sketchers + 13º encontro Oeste Sketchers

Foi no Bombarral... A recepção foi fantástica por parte do município e o encontro animadíssimo. Obrigada ao André Duarte Baptista, ao Bruno Vieira, ao Pedro Alves e à Ana Ramos (que garantiu as castanhas assadas e trouxe os acepipes abundantes aos vegetarianos do grupo!!!!)




Salão Nobre da câmara Municipal do Bombarral

O teatro Eduardo Brazão, um verdadeiro bijou muito bem recuperado!

Rabisco apressado já no fim do encontro.

terça-feira, 7 de novembro de 2017

Estação

Nas últimas semanas recuperei um hábito antigo - deambular pela minha cidade, sem destino e com o caderno debaixo do braço. Aqui fica o primeiro desenho (de muitos).
 

Vértebra...

...de baleia. Está no Quebrado em Peniche.
O rabisco foi feito a 26 de Outubro e consegui dar-lhe cor hoje. Horas de almoço para estas lides, têm inconvenientes destes. Siga!


segunda-feira, 6 de novembro de 2017

13º Encontro OSk-USkP | Bombarral


Para celebrar os 10 anos dos Urban Sketchers, o grupo internacional teve a brilhante iniciativa de convocar um Sketchwalk de 24 horas à volta do Globo no próximo dia 11 de Novembro! Os Oeste Sketchers, como não podiam faltar, acedem assim ao pedido e iremos estar as 10h junto à Estação de Caminhos de Ferro do Bombarral para mais uma maratona descontraída de desenho. 


Iremos explorar o património industrial das redondezas bem como o bucólico centro histórico ali mesmo ao lado. O almoço é livre e poderá ser um pic-nic nas redondezas ou num restaurante típico para desfrutar da gastronomia regional do Oeste, a escolha é vossa!

Não faltem, Sábado dia 11 de Novembro às 10 horas junto à Estação de comboios do Bombarral!

sexta-feira, 3 de novembro de 2017

terça-feira, 24 de outubro de 2017

Gato azul-escuro

É de loiça (!) e está numa chaminé em Moledo, Lourinhã.


Não vamos esquecer!

Desenho de Teresa Ruivo, Santo Isidoro, Mafra
Acreditamos que todos  nos sentimos desolados, inconformados, tristes e revoltados com o modo como os incêndios deixaram o nosso país. As perdas, as mortes, as destruições, geraram movimentos de genuína solidariedade e interajuda. Mas, se a memória não me atraiçoa, esquecemo-nos muito rapidamente destas coisas, porque não estamos lá. Basta outro tema ser posto em palco e zás, esquecemo-nos!
Pois bem, desta vez - todos juntos  e com a ajuda do desenho - podemos fazer um esforço para que as pessoas não  esqueçam.
Assim, desafiamos todos, de norte a sul, a fazer um desenho in loco sobre um incêndio, um rescaldo, uma aldeia, uma vítima ou uma comunidade atingida.
O Público online publicará os nossos desenhos, um a um, durante tanto tempo quanto possível.

Porque é sério, porque é grave, desta vez  NÃO VAMOS ESQUECER!

Envia o teu desenho, acompanhado de uma ou duas pequenas frases sobre ele e com o local bem identificado, para o email hugo.sousa@publico.pt  (com conhecimento de lurdes@publico.pt e  catarina.moura@publico.pt  e teresa.ruivo@netcabo.pt). 
Partilha-o também connosco neste blog e no blog nacional, com a etiqueta NÃO VAMOS ESQUECER. 

sexta-feira, 6 de outubro de 2017

sábado, 30 de setembro de 2017

(a) Riscar o Património

Sem dúvida, um dos melhores encontros de desenho de sempre.
Depois do reencontro em Torres Vedras, fomos à freguesia de Dois Portos desenhar, começou numa alongada breve introdução sobre a Quinta da Folgorosa, o Eng. José Melicias falou sobre a recuperação da Quinta sustentada na produção de vinho de qualidade e notou-se a sua paixão pela história daquelas terras e pela sabedoria da produção de vinho, o qual se mostrava no perfume que emanava da adega.
Como ninguém teve coragem de descalçar as botas e pisar uvas, fomos desenhar pelos terrenos da quinta, no jardim, nas vinhas, nos sofás da piscina, na adega ou no topo da aldeia onde havia um moinho abandonado.
O meu primeiro desenho foi durante a introdução à quinta, uma salganhada de materiais para aquecer...


Depois fui desenhar vinhas, mas como o tempo era pouco e a atmosfera estava tão agradável, peguei na paleta quente e dediquei-me a desenhar o mestre António Bártolo a pintar, segurava vários pincéis na mão e a cabeça estava constantemente indecisa entre a paisagem e o papel...



À tarde fomos desenhar o Santuário Nossa Senhora dos Milagres, a igreja tinha uma fachada cheia de arcadas interessantes, no interior, o azulejo era também surpreendente, mas como nunca acreditei em milagres dediquei-me ao casario das traseiras, parecia ter detalhes a precisar de atenção, os muros do miradouro marcavam umas belas linhas limite e destacavam a paisagem, havia também uma árvore morta espinhosa repleta de pormenor a precisar de companhia...



No fim do dia aventurei-me na paisagem, mas como eu não dispenso uma boa conversa, acabei por deixar a pintura de azul para mais tarde...



terça-feira, 26 de setembro de 2017

A)Riscar, o meu contributo

Por norma, quando organizo, não desenho. Mas este ano, apesar de ter sido aquele que mais logística exigiu, decidi quebrar a regra - desenhei.
Tudo tem um início, por isso deixo aqui o desenho que fiz para a imagem de divulgação do evento - o moinho que pertence à Quinta da Folgorosa.
 
Nesta edição, decidi que tinha de desenhar, nem que fossem registos muito rápidos, como os que se seguem, pois o tempo era/foi escasso. (as manchas foram dadas em casa)
Enquanto todos se instalavam no interior da Quinta, tive de sair para orientar a saída do autocarro. Eis que me deparo com este enquadramento da Quinta.
 
 
À sombra, "apanhei" a Adega e fui apanhado pela Lurdes Morais - apareço num desenho dela, como que a registar o momento.
 
 
Ao final do dia, em jeito de brinde ao sucesso do evento. O Santuário Nossa Senhora dos Milagres, a saborear as vistas e a brisa que corria no rosto.
 
 
Fecho com o meu preferido - Adega da Quinta da Folgorosa - um desenho com aroma a vinho.
Este ficou com o eng José Melícias, para agradecer a forma calorosa com que nos recebeu.
Caneta de aparo. A mancha foi feita com o líquido daquele que será o próximo néctar dos deuses da Folgorosa. Ainda está a fermentar. Daqui a uns meses estará nas vossas mesas.
 
Mais uma vez, muito obrigado a todos aqueles que tornaram este dia inesquecível.